Homens invadem festa de adolescentes, matam dois jovens e causam pânico

Um dos mortos fazia aniversário no dia do crime, que ocorreu na Capelinha de São Caetano


Leandro Araújo Nascimento, 16 anos, à esquerda, morreu depois de ser socorrido para o HGE. Já Iago Santos Oliveira, 19 anos, à direta, morreu no local (Foto: Reprodução/CORREIO)

Uma festa realizada por jovens na Capelinha de São Caetano acabou com dois mortos, entre eles um adolescente de 16 anos. O encontro, que acontecia por volta das 20h deste domingo (17), na Rua Jandira Maia, reunia cerca de 50 pessoas, em sua maioria adolescentes. Dois homens armados invadiram o espaço e atiraram em direção ao público, que entrou em pânico – testemunhas afirmam que a arma de um dos atiradores falhou, o que evitou mais mortes. 

Iago Santos Oliveira, de 19 anos, foi uma das vítimas fatais do ataque. Ele morreu no local antes mesmo da chegada de uma equipe médica. Já um adolescente de 16 anos, identificado como Leandro Araújo Nascimento, foi atingido por um tiro na testa. Ele foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e levado para o Hospital Geral do Estado (HGE), mas morreu cinco horas depois de dar entrada na unidade de saúde

Além dos dois mortos, um outro adolescente de 15 anos também ficou ferido e foi encaminhado para o HGE, onde permanece internado na ala de sutura do hospital. Ele foi atingido no lado esquerdo do abdômen e socorrido por moradores. De acordo com a família, o garoto não corre risco de morte.

Segundo populares, outras duas adolescentes foram baleadas de raspão, mas a informação não foi confirmada pela polícia. 

Festa
O CORREIO esteve na manhã desta segunda-feira (18) na rua onde ocorreu o crime. De acordo com moradores do bairro, a festa acontecia em uma casa, que aluga o primeiro andar para a realização de eventos, e foi organizada pelos próprios jovens do bairro. Eles cobraram ingressos de R$ 15 para os meninos, identificados com uma pulseira, enquanto as meninas tinham entrada gratuita. Havia venda de bebidas alcoólicas no local.

Em frente à residência, ainda era possível ver o par de sandália de uma das vítimas, além de rastros de sangue. Testemunhas contam que foram disparados mais de 30 tiros.

Os relatos são parecidos: dois homens teriam invadido a casa, fecharam a porta para evitar a fuga do público e acenderam as luzes. Em seguida, deram tiros para o alto e miraram nos adolescentes. Apavoradas, algumas pessoas se jogaram do primeiro andar para tentar sobreviver ao ataque, que só teve fim após uma das armas dos atiradores falhar. 

“Eles atiravam para cima, para os lados. O pente da arma parou de funcionar. Eles colocaram e atiraram várias vezes”, contou um amigo de um dos adolescentes que estava presente no local.  


Festa aconteceu no primeiro andar da casa, na Capelinha de São Caetano(Foto: Nilson Marinho/CORREIO)

Alguns moradores afirmam que o ataque tem relação com a briga pelo tráfico de drogas na região. Já outros dizem que as mortes têm ligação com uma dívida que uma das pessoas que participava do encontro tinha com traficantes. A Polícia Civil não confirma as informações.

Aniversário
Uma moradora do bairro, que preferiu não se identificar, disse que Iago morreu no dia em que fazia aniversário. Ele tinha ido à festa para comemorar. A mãe do jovem estava na igreja evangélica do bairro quando foi avisada pelo marido sobre a morte do filho. A cerimônia religiosa foi encerrada após a mãe entrar em desespero. 

Um familiar de Leandro disse ao CORREIO que o adolescente morava a menos de 200 metros do local do crime. Ele chegou a voltar para casa antes da invasão, para avisar aos familiares que um dos seus primos, que também estava no evento, havia passado mal depois de exagerar na bebida. 

“Em casa, a mãe pediu para que ele não voltasse para o espaço. Era um menino que trabalhava em uma oficina mecânica em frente ao local onde aconteceu tudo. Infelizmente, os jovens não escutam as mães”, lamentou o familiar.   

Desabafo
A mãe do adolescente de 15 anos, que sobreviveu e está internado, conversou com o CORREIO por telefone. Sem se identificar, ela disse que o filho saiu de casa para participar do evento sem avisá-la e que o ferimento causado pela bala foi superficial.

“Eu estava no trabalho e não sabia que ele tinha saído para a festa. Cheguei em casa e, após não encontrá-lo, fui dormir. Acordei com as pessoas me avisando o que tinha acontecido. Isso serve de lição para os filhos obedecerem suas mães. Com fé em Deus isso não vai voltar a se repetir”, desabafou. 

Segundo ela, após ser atingido, o adolescente foi para casa a pé, com ajuda de amigos. Ele mora a 300 metros de distância do local onde acontecia a comemoração. 

O caso é investigado pela 3ª Delegacia de Homicídios da Baía de Todos-os-Santos (DH/BTS). A Polícia Civil informou que investiga a autoria e a motivação dos crimes. Informou, ainda, que foram avisados sobre o ataque às 20h e encontraram, no local, um morto e um ferido. Não há registro de uma terceira pessoa machucada – já que um dos garotos deixou o local antes da chegada dos policiais. 

Já a Polícia Militar informou que policiais da 9ª Companhia Independente da PM (CIPM/Pirajá) foram avisados pelo Centro Integrado de Comunicações (Cicom), às 20h30, que uma pessoa havia sido baleada na Capelinha de São Caetano. No local, constataram que haviam duas pessoas atingidas – uma sem vida e outra que foi socorrida para o HGE. “A PM isolou a área e acionou o Serviço de Investigação em Local de Crime (Silc)”, disse, em nota.